sexta-feira, 27 de abril de 2018

Comissão Senado do Futuro vai discutir paz nos estádios

A Comissão Senado do Futuro (CSF) aprovou requerimento, nesta quarta-feira (25), para realização de uma audiência pública sobre a importância da perspectiva futura da paz nos estádios do país. O autor é o presidente da comissão, senador Hélio José (Pros-DF)

Marcos Oliveira/Agência Senado.
Para discutir o tema, serão convidados Paulo Castilho, promotor do Ministério Público do Estado de São Paulo; Sandro José Neis, presidente do Conselho Nacional de Procuradores Gerais de Justiça dos Estados e procurador-geral de Justiça de Santa Catarina; Gislaine Nunes, da Liga de Futebol Nacional; Cristiano Barbosa Sampaio, secretário-adjunto de Segurança Pública do Distrito Federal; e o coronel Marcos Antônio Nunes de Oliveira, comandante-geral da Polícia Militar do Distrito Federal.

Ao discursar em Plenário no mês passado, Hélio José lamentou a violência entre torcidas organizadas no futebol, mas disse que elas não devem ser criminalizadas de forma indiscriminada e que é necessário separar o joio do trigo. Ele também já se manifestou a favor de medidas como identificação biométrica e monitoramento por vídeo, como formas de diminuir a violência nos estádios.
Universidade de Brasília

O colegiado aprovou também requerimento de audiência pública para discutir o futuro da Universidade de Brasília(UnB), tendo em vista as restrições que vem sofrendo e que podem comprometer a prestação de serviços à comunidade, a qualidade dos cursos oferecidos e a manutenção de pesquisas científicas.

Os expositores serão o ministro da Educação, Rossieli Soares da Silva; a reitora da Universidade de Brasília, professora Márcia Abrahão Moura; o professor Emmanuel Zagury Tourinho, presidente da Associação Nacional dos Dirigentes de Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes); o professor Ildeu de Castro Moreira, presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC); o professor Virgílio Caixeta Arraes, presidente da Associação dos Docentes da Universidade de Brasília (Adunb); a professora Eblin Joseph Farage, presidente do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes-SN); Mateus Barroso, representante dos centros acadêmicos; um representante da coordenação colegiada do Sindicato das Trabalhadoras e dos Trabalhadores da Fundação Universidade de Brasília (Sintfub), João Marcelo Marques Cunha e Mauro Mendes representantes do Comitê em Defesa da UnB, e Vânia Felício, do Hospital Universitário de Brasília (HUB).

A CSF, ao contrário das outras comissões, não tem a função de votar projetos de lei. A comissão conta com 11 titulares e 11 suplentes e tem entre suas atribuições debater grandes temas e o futuro do país, bem como aprimorar a atuação do Senado nessas questões.a

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Melhores

Novidades